quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Olhar através

Diane Arbus (1923-1971) foi uma fotógrafa americana conhecida pelos seus retratos de pessoas consideradas fora da normalidade da sociedade. Freaks shows, situações inusitadas, pessoas extravagantes eram alguns de seus temas preferidos.
Era filha de um rico casal de judeus e vivia dentro da alta sociedade. Aos 18 anos se casou com o fotógrafo Allan Arbus, com quem começou a fotografar. Só depois de se separar de Allan é que conseguiu realmente se libertar e, a partir daí, começou sua carreira como fotojornalista. Publicou fotos no Enquire, The New York Times Magazine, Harper's Bazaar e Sunday Times.
Aprendeu a arte na fotografia com Alexey Brodovitch e Richard Avedon. Usava uma câmera reflex de médio formato Rolleiflex com dupla objectiva, em detrimento das máquinas de 35 mm. Com a Rolleiflex teria “vistas largas”, mais resolução e um visor à altura da cintura que lhe proporcionava uma relação mais próxima com o fotografado. Tirava as fotos com flash e de dia para destacar melhor o primeiro plano da fotografia.
Em 1971 se suicidou tomando barbitúricos e cortando os pulsos. Diz a lenda que ela fotografou a própria morte, mas a polícia nunca encontrou tais fotografias.

"Para mim o sujeito de uma fotografia é sempre mais importante que a fotografia. E mais complicado..." - Diane Arbus

O filme "Fur - Um retrato imaginário de Diane Arbus" (2006) retrata uma pequena parte de sua vida. Baseado no livro "Diane Arbus - A Biography". Com Nicole Kidman e Robert Downey Jr., o filme, apesar de ser um pouco parado, mostra a parte da vida de Diane Arbus quando ela começa a querer se distanciar da sua vida burguesa e ingressa num submundo de pessoas que vivem à margem da sociedade. Não é o melhor filme de todos os tempos...


Fotografada pelo seu marido Allan

Diane Arbus


Sem título, ca. - 1970

Screaming Woman with Blood on Her Hands, ca. 1958



Blaze Starr

Identical Twins, Roselle, N.Y.,1967

Sem título, 1970/71

Child with a Toy Hand Grenade in Central Park, N.Y.C., 1962

A Husband and Wife in the Woods at a Nudist Camp, NJ, 1963



Xmas tree in a living room in Levittown, L.I., 1963

Two ladies at the automat, N.Y.C. 1966

Boy with a straw hat waiting to march in a pro-war parade, N.Y.C. 1967

A Woman in a Bird Mask, 1967

Triplets in their Bedroom, 1967

Jewish Giant at Home with his Parents, 1970

Hermaphrodite and Dog in Carnival, 1970

Albino Sword Swallower at a carnival, Md. 1970

Woman at Masked Ball, 1967





video

2 comentários:

  1. As fotografias dela são de gosto duvidoso, mas o filme parece estar lindo.

    Adoro Nicole Kidman e acho que, só por ela, vou assistir!

    ResponderExcluir
  2. Gosto duvidoso não é bem a expressão para o trabalho dela. É preciso entender o meio onde ela estava inserida. Era filha de um casal de judeus riquíssimos donos de uma fábrica de casacos de pele. Usar um casaco de pele também é de gosto duvidoso. Ela tinha uma vidinha banal, que era sombreada pela carreira do marido, onde ela era uma simples assistente.
    Não consegui descobrir até aonde o filme é real, ainda não achei o livro da biografia para comprar, mas seria interessante você assistir para entender o porque da visão dela. E não podemos esquecer que ela era uma pessoa extremamente depressiva, tanto que acabou se suicidando.
    As fotos são lindas, basta você olhar atrávés delas...

    ResponderExcluir